Last updated on | Agile Retrospectives, FAQs

Agile Retrospectives, o guia oficial para Scrum Masters

by Luís Gonçalves
Agile Retrospectives, retrospective, retrospectives

Apresento um longo artigo a resumir o que são Agile Retrospectives. Aqui vai encontrar tudo o que precisa de saber sobre Agile Retrospectives.

Agile Retrospectives são atividades que tenho facilitado e escrito muito nos últimos anos. Infelizmente, nunca criei um longo artigo resumindo o que é uma Agile Retrospective. Agora é a altura.

O meu livro “Getting Value Out Of Agile Retrospectives” (compre aqui) descreve tudo, mas quero publicar algo online para que mais pessoas tenham acesso, abaixo pode encontrar os tópicos desta publicação.

  • O Que É Uma Agile Retrospective?
  • Qual É O Valor Comercial Das Agile Retrospectives?
  • Características De Um Bom Facilitador De Agile Retrospectives
  • Como Criar Um Ambiente Seguro Para Executar Agile Retrospectives
  • Pré-Requisitos Para Agile Retrospectives Bem-Sucedidas
  • As Cinco Fazes De Uma Agile Retrospective Bem-Sucedida
  • Anti-Padrões de Agile Retrospectives
  • Ideias para Agile Retrospectives

O QUE É UMA AGILE RETROSPECTIVE

Uma Agile Retrospective é uma reunião que é realizada no final de cada iteração no Desenvolvimento Agile.

Podemos usar um dos Princípios Agile para definirAgile Retrospectives:

Em intervalos regulares, a equipa reflete sobre como se tornar mais eficiente, depois ajusta o seu comportamento de acordo.

 A Agile Retrospective é um ritual que pertence à equipa: de facto, é uma reunião, mas é uma reunião em que a equipa tem plena propriedade da agenda e do resultado, e ninguém esvazia nada nela.

É um evento em que as equipas param e analisam a sua maneira de trabalhar. A Agile Retrospective é uma oportunidade perfeita que permite que a equipa pare e reflita sobre o seu modo de trabalhar.

É muito comum, durante a Retrospective, encontrar maneiras de se tornar mais eficiente. É uma oportunidade para olhar para trás e pensar sobre o desempenho da equipa.

Idealmente, as Agile Retrospective ssão eventos em que as questões são discutidas sem culpa ou acusação; significa que são criticados os resultados do trabalho e não as pessoas.

As Agile Retrospectives são a base de qualquer ciclo de inspeção e adaptação; mesmo que as equipas não devam limitar a sua aprendizagem à Agile Retrospective.

Gostaria de lembrar as pessoas que as Retrospectives também são um ótimo lugar para analisar o ambiente de trabalho atual e participar em algumas atividades de construção de equipa que normalmente não seriam realizadas fora dessa reunião.

Retrospectives são a parte crucial do trabalho da equipa. A gestão por vezes tem dificuldade em entender a importância das Retrospectives. Há algum tempo atrás, escrevi uma publicação simples a resumir o que é uma Agile Retrospective.

Abaixo, encontra vários motivos pelos quais deve usar Agile Retrospectives.

QUAL É O VALOR DE NEGÓCIO DE UMA AGILE RETROSPECTIVE

Às vezes, as pessoas (geralmente os gestores) dizem-me que têm problemas em entender por que as Retrospectives devem ser realizadas a cada duas semanas e por que toda a equipa para por algumas horas apenas para brincar com post-its.

Agile Retrospectives são importantes e vou explicar várias razões.

Agile Retrospective como um Facilitador de Equipa

Uma Retrospective muitas vezes pode ser usada como um facilitador de equipa: um lugar essencial onde a equipa se reúne e se empolga ao encontrar novos caminhos e novas possibilidades para lidar com problemas antigos.

Retrospectives não devem ser aborrecidas; é um lugar perfeito para se divertir e relaxar um pouco enquanto está a trabalhar.

As Agile Retrospectives são usadas para as pessoas deixarem as suas frustrações

A Retrospective pode ser um lugar onde a equipa se sente segura e confortável, permitindo que fale livremente sobre as suas frustrações.

Isto é altamente benéfico, porque durante a retrospective, as pessoas têm uma janela de tempo “oficial” dentro da qual podem ser ouvidas, e qualquer ser humano ama (e precisa) de ser ouvido.

Agile Retrospectives como um artefacto de construção da equipa

Uso algumas das minhas Agile Retrospectives como uma atividade de consolidação da equipa. Às vezes, quando trabalhamos em equipa, as coisas ficam difíceis e é difícil colocá-las de volta nos trilhos.

A Retrospective é o lugar perfeito para fazer algumas atividades de consolidação de equipas para trazer harmonia de volta a esta.

Agile Retrospectives são o lugar certo para aprender e ajudar a equipa/empresa a melhorar

Um dos maiores problemas que nós, seres humanos, temos é que não paramos para refletir (pelo menos a maioria de nós). Para aprender, devemos parar e refletir sobre o que aconteceu.

A Agile Retrospective é o lugar perfeito para isso acontecer; durante a retrospective, todos param e refletem sobre o que fizeram, o que, por sua vez, permite que as equipas cresçam e evitem cometer os mesmos erros no futuro.

Agile Retrospectives criam melhoria contínua

Uma Agile Retrospective é um ritual que permite que as equipas criem uma cultura de melhoria contínua, onde refletem sobre experiências passadas e definem ações futuras.

Agile Retrospectives aumentam o valor do cliente

As Agile Retrospectives têm uma influência positiva no valor que é entregue aos nossos clientes. Como mencionei antes, o objetivo principal deste ritual é possibilitar a melhoria contínua.

Isto significa que as equipas vão melhorar com o tempo e, como resultado disso, descobrirão a maneira mais eficiente de fornecer o melhor valor aos seus clientes.

Agile Retrospectives servem para capacitar equipas

Uma das coisas mais agradáveis sobre retrospectives (na minha opinião) é a hipótese que dão às equipas para tomar as suas decisões. Este ritual oferece uma oportunidade para capacitar as equipas (não em todos os casos, mas na maioria).

As equipas possuem as suas decisões e ações, criando uma sensação fantástica de empowerment.

Agile Retrospectives como um lugar para homenagear ou lamentar eventos passados

O desempenho da equipa pode ser profundamente afetado por alterações nos grupos. Às vezes as pessoas saem, outras vezes juntam-se à equipa novas pessoas e a dinâmica desta muda.

As pessoas que não estão cientes do relacionamento e do coaching de sistemas não entendem o que está a acontecer, mas às vezes as equipas não conseguem recuperar até enfrentar a nova configuração.

A retrospetiva pode ser usada precisamente para ajudar a equipa nesse cenário.

Agile Retrospectives como um lugar para aumentar a positividade dentro da equipa

Pessoalmente, não conheço muitos Scrum Masters que usam Exercícios de Apreciação em Agile Retrospectivas. Já tinha começado a usar esta abordagem há alguns anos. Tento começar ou terminar uma retrospetiva ágil com uma rodada de apreciações.

Muitos estudos sugeriram/mostraram que a positividade dentro da equipa está diretamente relacionada com o alto desempenho.

Fazer exercícios de Apreciação é uma maneira fantástica de aumentar a positividade dentro da equipa, criando um ambiente excelente onde os membros da equipa podem contribuir para o sucesso da equipa.

Agile Retrospectives como uma ferramenta para comunicar com a Gestão
Como mencionei anteriormente, as Agile Retrospectives são a base da melhoria. Infelizmente, muitas empresas pensam que as Agile Retrospectives pertencem à equipa de desenvolvimento e não utilizam o seu potencial.

As Agile Retrospectives podem ser usadas como uma forma de as equipas articularem a sua mensagem com a gestão, aumentando assim o sentimento de urgência para problemas que precisam de ser abordados na organização.

Se bem aplicada, a Agile Retrospectives pode ser usadas como uma ferramenta fantástica para permitir a comunicação entre gestão e engenheiros.

CARACTERÍSTICAS DE UM BOM FACILITADOR DE AGILE RETROSPECTIVES

Muitas pessoas podem pensar que as Agile Retrospectives podem ser feitas por qualquer pessoa numa equipa e que as competências não importam. Importam! Veja abaixo algumas características de um bom facilitador.

Um bom facilitador de Agile Retrospectives não deve tomar nenhum lado.

Se o facilitador tomar partido, os membros da equipa podem sentir-se atacados e parar de contribuir para todo o evento. Isto pode quebrar a produtividade da Agile Retrospective.

 

Ser capaz de escolher diferentes exercícios para diferentes situações
Uma das principais razões pelas quais eu e Ben Linders escrevemos o livro “Getting Value Out Of Agile Retrospectives” foi fornecer às pessoas ideias para exercícios de Retrospectives.

Cada Agile Retrospective é um evento diferente, mas todas são únicas e devem abordar um problema diferente – o mais apropriado.

Um bom facilitador deve ser capaz de identificar quais os problemas que estão a incomodar a maioria da equipa durante o sprint atual e descobrir que exercícios podem ser usados para garantir que a equipa obtenha muitas visões da Agile Retrospective.

 

Ser capaz de resumir tudo o que aconteceu durante a Agile Retrospective
A parte final de uma retrospetiva é muito importante. Muitas vezes os facilitadors não prestam atenção suficiente a esta parte.

É muito importante apoiar a equipa e resumir o que foi acordado para ser abordado durante a próxima iteração. É o momento ideal para recapitular que ações de acompanhamento devem ser tomadas, por quem e quando.

Crie o ambiente certo, onde todos estejam à vontade para falar
Incentivar as pessoas a falar e garantir que todos são ouvidos é muito importante. Outra responsabilidade do facilitador é promover que todos falem e garantir que todos são ouvidos.

Ofacilitador não deve forçar ninguém a falar se não quiser. Este é um pré-requisito para uma Agile Retrospective bem-sucedida.

No entanto, deve certificar-se de que todos são ouvidos e que todos têm a oportunidade de falar.

Esclareça Visões

Estamos numa indústria de desenvolvimento de software e, como todos sabemos, a maioria tem um bom conhecimento técnico e mentalidade, assim sendo não temos o toque certo para elaborar as nossas ideias.

Isto não é uma coisa má; é apenas um facto. Somos bons com números e algoritmos, mas na maioria das vezes não somos bons na comunicação. Com isto em mente, o facilitador deve esclarecer todas as visões que as pessoas oferecem.

Deve ser responsável por garantir que cada perceção é compreendida por todos na sala. Essa é a única forma de as pessoas entenderem e analisarem os dados que são gerados na Retrospetiva.

Visões desafiadoras com muitas perguntas

A responsabilidade do facilitador não termina com a perceção e esclarecimentos subsequentes. O facilitador também precisa de assumir o papel de treinador e fazer muitas perguntas.

Deve ajudar a equipa a ver diferentes ângulos e diferentes opções.
É sua responsabilidade desafiar os membros da equipa com as suas perceções. Só então a equipa é capaz de ver diferentes pontos de vista e gerar inúmeras ideias sobre o assunto?

É importante sublinhar que não é da responsabilidade do facilitador dar as respostas; aqui é importante o papel de coaching.

Está lá para fazer perguntas e ajudar as equipas a gerar o máximo de discernimento possível, em vez de se agarrar à primeira ideia que aparece.

Pense positivo

Uma das principais características de um bom facilitador é a positividade. Isto é especialmente crucial quando o facilitador trabalha com uma equipa jovem.

Isto não significa que o facilitador não irá permitir que a equipa fale sobre tópicos difíceis, mas deve procurar manter o ambiente o mais construtivo e ativo possível.

É muito importante prestar atenção a isto! Às vezes, as equipas enfrentam muitos problemas, e se o coach não está ciente da importância da positividade, a Agile Retrospective pode tornar-se numa sessão de reclamação.

Arrasta todos para se tornarem cínicos e, por sua vez, impactar o desempenho futuro da equipa.

Desenvolva-se como um Facilitador Profissional

Muitas pessoas pensam que a facilitação é algo muito simples e fácil. Para ser honesto, tenho feito facilitazação há vários anos e ainda sinto que tenho muito a aprender.

Se quiser tornar-se num facilitador requintado, invista num programa de Facilitador Profissional.

Existem vários lugares onde pode obter informações sobre o tópico, mas pode começar com a Associação Internacional de Facilitadores (http://www.iaf-world.org/site/).

COMO CRIAR UM AMBIENTE SEGURO PARA UTILIZAR AGILE RETROSPECTIVES

Uma das partes importantes das Agile Retrospectives bem-sucedidas é a nossa capacidade de criar um ambiente seguro. Trazer a primeira diretriz para a reunião pode ajudar, mas há muitas outras coisas que podem ser feitas para criar essa segurança. Esta parte foi inspirada na minha publicação original que pode ser encontrada aqui.

Mantenha a Agile Retrospective para a equipa, não para a gestão

Os membros da equipa devem ser os participantes de uma retrospetiva. Às vezes é necessário chamar pessoas externas que não fazem parte da equipa, mas que estavam envolvidas em atividades de sprint, e não há problema.

No entanto, não aconselho a Retrospetiva à gestão. Sei que na maioria dos casos a gestão só quer ajudar; têm as melhores intenções, mas a sua presença fará com que as pessoas desliguem e não falem sobre os problemas reais. Assim, como regra geral, recomendo ter apenas pessoas que fazem parte da equipa presentes.

Os membros da equipa decidem que informações serão públicas

É muito importante que uma equipa decida o que é público e o que fica na sala. Como expliquei anteriormente, uma Agile Retrospective dá aos membros da equipa a oportunidade de arejar problemas sérios.

Se se sentirem à vontade, falarão sobre todos os problemas que os incomodam, sem pensar nas consequências, e isso é muito bom. Se parte desse desabafo for público, pode ser desastroso.

Portanto, as pessoas devem escolher que informações podem ir a público e quais não devem. Por padrão, prefiro treinar a equipa para usar a regra: “O acontece em Vegas, fica em Vegas”, o que significa que tudo o que acontece durante as Agile Retrospectives permanece lá.

Treino de feedback adequado

Um dos meus clientes está a investir muito tempo e dinheiro no fornecimento de treino de feedback aos seus funcionários. Posso ver um efeito significativo nesse treino nas Agile Retrospectives dos meus clientes.

As pessoas estão a ficar cada vez melhores em fornecer feedback específico e tangível sem entrar em ataques pessoais. O mesmo acontece com as pessoas que recebem comentários; agora entendem que nada é pessoal e têm as ferramentas para usar o feedback de uma forma positiva.

Encoraje, mas não force a participação

Por vezes as pessoas não estão no humor certo para participar em todas as atividades. O facilitador deve encorajar, mas não forçar, a participação das pessoas nas atividades durante a Retrospetiva. Sim, eu sei, na maioria das vezes essas pessoas terão algo a dizer, mas talvez não estejam prontas para dizê-lo naquele momento. Dê-lhes algum tempo e vão participar nas atividades futuras.

Localização da Retrospetiva é um Elemento-chave

Há uns anos, comecei algo completamente diferente. A ideia aqui é consciencializá-lo da energia do local onde a Retrospetiva está a ocorrer.

Às vezes, os desenvolvedores têm sprints muito desafiadores; muitas coisas acontecem durante a iteração, e a energia na sala não é tão ativa. Nesse caso, deve considerar retirá-los desse local para um ambiente mais positivo ou neutro.

Por outro lado, se o sprint foi muito produtivo e estão muito felizes com o resultado, pode ser que utilizar essa energia positiva seja a abordagem correta para ter uma Retrospetiva fantástica.

De qualquer das formas, antes de realizar a sua sessão retrospetiva, pense na energia da equipa e decida se é melhor ficar do lado de dentro ou escolher outro lugar para a realizar.

Não apenas o ambiente para a execução de Agile Retrospectives bem-sucedidas é crucial, mas também determinados pré-requisitos devem estar em vigor. Abaixo pode ler sobre algumas dicas sobre o que falar antes das Agile Retrospectives.

PRÉ-REQUISITOS PARA AGILE RETROSPECTIVES DE SUCESSO

Para executar Agile Retrospectives de sucesso, existem vários fatores que precisam de estar presentes. Norman L. Kerth refere no seu livro: “Project Retrospectives”, cinco ideias importantes que devem estar presentes, para ter uma retrospetiva de sucesso: “A necessidade do ritual”, “Nomear o processo”, “Diretriz primordial para uma retrospetiva”,“O lado mais sombrio das Agile Retrospectives” e o “Facilitador”. Esta parte foi inspirada na publicação original do blog que pode ser encontrada aqui.

A necessidade do ritual

Normalmente, os humanos não param para refletir sobre qualquer projeto; não é uma atividade natural, e é por isso que é tão importante formalizar um comportamento e torná-lo num ritual.

Os rituais são importantes porque servem para unir as pessoas, permitindo que se concentrem no que é importante e reconhecer eventos ou realizações significativos.

Nomear o processo

Na nossa indústria, Agile Retrospectives têm um nome diferente. Alguns dos nomes são: “post-mortem”, “pós-parte”, “reparação pós-contratação”, etc.

No desenvolvimento de software Agile, este processo é chamado “Agile Retrospective” – atualmente, este é um nome familiar. Na minha opinião, é importante chamar o processo de forma clara para que todos entendam.

Normalmente, uma equipa sabe o que significa o processo, mas não é incomum ter uma gestão sénior que não entende o significado. “Retrospective” é uma palavra direta e autoexplicativa.

Primeira diretriz para uma Retrospective

As pessoas devem sentir-se confortáveis em partilhar os seus problemas, opiniões ou preocupações. É comum perceber que as coisas não foram realizadas da melhor forma possível.

Quando isto acontece, as pessoas precisam de se sentir confortáveis o suficiente para dizer as coisas em voz alta e sugerir maneiras diferentes de abordar o mesmo problema.

Antes de iniciar uma retrospetiva, devemos comunicar uma diretiva principal:

Independentemente do que descobrimos, devemos entender e realmente acreditar que todos fazem o melhor trabalho possível, tendo em conta o que era conhecido na época, as competências e aptidões, os recursos disponíveis e a situação em questão.

 Usei esta ideia várias vezes e posso garantir que funciona; escreva apenas Diretriz Primária num quadro e leve-o para a sua Agile Retrospective.

Se o comportamento de alguém não estiver alinhado com a diretiva principal, basta lembrar essa pessoa sobre a diretiva.

O lado mais sombrio das Agile Retrospectives

Tive a oportunidade de ver várias Agile Retrospectives a ser transformadas em sessões de reclamação. É bastante comum quando uma retrospetiva não é bem facilitada.

É importante entender as razões pelas quais as pessoas reclamam, e isso pode revelar muitos problemas, mas se uma sessão de reclamação ficar fora de controlo, pode arruinar a retrospetiva geral.

As pessoas não o fazem com más intenções. Simplesmente exteriorizam o que as afeta: têm algumas necessidades que não estão a ser satisfeitas e precisam de simbolizar as suas emoções.

O problema é o facto de que um recetor é adiado pela reclamação e entra imediatamente em modo defensivo, atacando de volta. Isto pode resultar numa retrospetiva não produtiva.

Se todas as Agile Retrospectives terminarem dessa maneira, as pessoas vão começar a ver as Agile Retrospectives como inúteis, e deixarão de as frequentar. Uma técnica que uso é pedir às pessoas que se expressem na forma de “desejos”, ao invés de acusações.

Isto muda o tom, criando um ambiente “seguro” e, como foi explicado acima, ter um ambiente seguro é uma das coisas mais importantes para uma retrospetiva bem-sucedida.

O Facilitador da Agile Retrospective

Todos os tópicos anteriores são críticos, mas se não tivermos um bom facilitador, a retrospetiva provavelmente será um desastre.

Para se tornar um bom facilitador, é necessária experiência, treino e muita autorreflexão. Antes de iniciar uma retrospetiva, o facilitador deve ter uma ideia clara do que pretende que saia dessa sessão.

Para executar uma excelente retrospetiva, deve seguir cinco etapas. Veja-as abaixo.

AS CINCO ETAPAS DE UMA RETROSPETIVA BEM-SUCEDIDA

Há alguns anos, Esther Derby e Diana Larsen, no seu livro “Agile Retrospectives”, explicaram-nos que há cinco fases diferentes durante uma Agile Retrospective.

  1. Definir o Palco

Se quer que as pessoas fiquem envolvidas e dispostas a trabalhar consigo, é uma boa ideia agradecer por investir o tempo na retrospetiva, pois isso fará com que se sintam como contribuidores valiosos.

Feito isto, deixe claro o propósito da retrospetiva e defina a meta da sessão. Também deve dar um prazo para a reunião.

Depois dos princípios básicos definidos, é imperativo que todos na sala se manifestem. Só precisa de ser breve (uma ou duas palavras de cada pessoa descrevendo o que esperam da retrospetiva), mas é importante quebrar o gelo desta maneira.

A maioria das pessoas automaticamente “sintoniza” mentalmente quando sente que está prestes a ser submetida a uma reunião sem objetivo e aborrecida – assim, manter uma noção de espaço é parte integrante de uma sessão produtiva em grupo.

Publique o contrato de trabalho existente (se houver) e ajuste-o conforme necessário para que se aplique efetivamente à retrospetiva. Se não houver acordo de trabalho, desenhe um antes da retrospetiva avançar.

Estes devem ter menos de cinco pontos – mais do que isso é muito complicado para ser prático.

  1. Recolher Informação

As iterações, embora geralmente breves, estão repletas de eventos e interações importantes;

Nestes casos, informação é necessária para criar uma imagem clara e partilhada do que ocorreu. A informação deve abranger eventos (isto pode ser algo adequadamente significativo para a equipa. Pontos de decisão, mudanças na participação em grupos, marcos, celebrações e implementação de novas tecnologias). Métricas (gráficos, velocidade, contagem de defeitos, etc.) e quaisquer recursos ou histórias que a equipa tenha concluído.

Calendários, documentos, gráficos e assim por diante devem ser usados pela equipa para melhorar ainda mais esses dados.

Os dados devem ser relatados durante as Agile Retrospectives usando uma mistura de relatórios verbais e recursos visuais, como quadros de tarefas e gráficos; Se for muito atrás no tempo, uma linha do tempo também será útil.

Sem recursos visuais bem planeados, as pessoas geralmente não conseguem detetar padrões relevantes e fazem outras conexões de maneira eficiente.

  1. Gerar Ideias

Dados são inúteis sem interpretação e visão; Como tal, toda a retrospetiva deve conter uma etapa em que as pessoas façam perguntas francas, em que apontam o que está a correr mal – e a correr bem – e perguntar: “Porquê?”

Como parte disso, deve examinar as várias situações que surgiram na iteração anterior, quebrando as interações que ocorreram dentro delas e procurando padrões de funcionalidade ou disfuncionalidade.

A equipa deve avaliar os riscos e considerar eventos e resultados inesperados. Isto deve assumir a forma de uma abordagem lógica e medida; lembre-se que as pessoas tendem a saltar para todas e quaisquer soluções disponíveis quando um problema é apresentado, e a primeira solução apresentada muitas vezes não é a melhor.

A altura de geração de ideias é crucial, pois permite que a equipa veja como as circunstâncias, ações e comportamentos afetam a sua capacidade de desenvolver software.

Sem esta etapa, não pode haver estabelecimento de causa e efeito.

  1. Decidir o que fazer

Uma vez que a equipa tenha concordado algumas das melhores soluções possíveis, precisam de decidir apenas uma ou duas para utilizar na próxima iteração e decidir como fazê-lo melhor.

A Etapa de Decisão deve envolver o uso de fichas de histórias ou artigos pendentes da carteira durante o processo de planeamento, pois vai facilitar a implementação de planos de melhoria durante o trabalho real que irá ocorrer na próxima iteração.

Lembre-se que as Agile Retrospectives deve seguir naturalmente o planeamento da iteração, portanto, tente realizar Agile Retrospectives antes do período mencionado (ter a retrospetiva de manhã e planear a iteração à tarde é o ideal).

  1. Fechar

Tente fechar as Agile Retrospectives de maneira proativa, inspiradora e motivadora – a equipa vai precisar desse sentimento de impulso para levar à próxima iteração.

As pessoas devem sair com uma ideia clara do que é necessário, como está documentado e qual será o acompanhamento.

A equipa também deve sair com uma série de lembretes que os vai ajudar a lembrar o que aprenderam durante a retrospetiva; caso contrário, pelo menos alguns deles irão desaparecer.

Estas são as ótimas dicas de como executar Agile Retrospectives sem problemas, mas também é ótimo estar ciente do que não deve ser feito e do que pode dar errado. Abaixo pode ler sobre anti-padrões e soluções Agile Retrospectives para estes.

AGILE RETROSPECTIVES ANTI-PADRÕES

Há várias coisas que deve observar durante as Agile Retrospectives; isto também pode acontecer consigo.

O Que Acontece Nas Agile Retrospectives, Não Fica Nas Agile Retrospectives
Vi este anti-padrão com bastante frequência. Numa empresa para a qual trabalhei no passado, a gestão solicitou registar Agile Retrospectives. Esta parte foi inspirada na publicação original do blog que pode ser encontrada aqui.

A gestão esperava que, se as Agile Retrospectives fossem registadas, outras equipas podiam aprender observando os problemas dos colegas.

Ninguém estava aberto a falar sobre os seus problemas se as Agile Retrospectives fossem registadas. Sabiam que qualquer pessoa na organização podia ouvir essas sessões e, portanto, ninguém falou em problemas “graves”.

Solução
Apenas membros da equipa devem participar na reunião; Para abordar a questão de partilhar a aprendizagem com Agile Retrospectives, os artigos de ação podem ser exibidos em locais públicos. No entanto, eu mantinha notas detalhadas apenas dentro da equipa.

Se a organização leva a sério a partilha de conhecimento, podem apoiar comunidades de prática. É uma abordagem muito melhor para a partilha de conhecimento do que forçar as pessoas a partilhar os resultados das Agile Retrospectives com o resto da organização.

Mudar o mundo

A equipa compromete-se com uma lista ambiciosa de ações sem considerar se tem tempo para executá-las na próxima iteração. Isto leva ao desapontamento porque as ações não são realizadas e a equipa continua a adicionar mais ações à lista em todas as Agile Retrospectives.

Solução
A resposta não é nada complicada. Acredito que a coisa certa a fazer é abordar apenas um tópico de cada vez nas Agile Retrospectives.

Selecione um tópico, mas faça uma análise adequada deste. Entenda perfeitamente qual é a causa raiz do problema em questão (pode usar técnicas como “5 Porquês”) e implementar a alteração durante a próxima iteração.

Não Há Tempo Para Melhorar

A equipa demora cinco a dez minutos após a demonstração da iteração para ter uma conversa rápida sobre como as coisas estão a correr e chama a isso uma Agile Retrospective.

Este é um sinal de que a equipa não vê benefícios nas Agile Retrospectives. Se os indivíduos têm ideias para melhorar, enfrentam uma luta para implementá-los na ausência de um fórum para conseguir o apoio da equipa.

Solução
O papel do Scrum Master/Agile Coach é muito importante. Se a equipa não perceber o valor das Agile Retrospectives, talvez o treinador deva organizar um workshop com a equipa para explicar como e porquê são muito importantes.

Mas lembre-se de manter o que mencionei no anti-padrão anterior: mude uma coisa de cada vez. Treine a equipa para escolher um único tópico, entender o problema e implementá-lo.

Permita que a equipa veja a melhoria e use esse momento para reforçar a ideia de quão importantes são as Agile Retrospectives.

Não é Tomada Nenhuma Responsabilidade

A equipa passa a Agile Retrospective a resmungar sobre como as coisas são más sem assumir a responsabilidade de melhorar a situação.

Agile Retrospectives são sobre como fazer mudanças para melhor, e isto não pode acontecer sem uma discussão sobre o que a equipa pode fazer.

 

Solução
Nesta situação, gosto de transferir a responsabilidade para a equipa. Deixe-os falar, mas em algum momento faça uma pergunta simples: “O que vai fazer relativamente à situação?”

Esta é geralmente uma questão muito poderosa. Envia uma mensagem clara para a equipa: se não fizerem nada, nada mudará. Vão ficar presos na frustração diária e no ambiente de baixa qualidade.

Normalmente, acordam e tentam definir algumas ações para corrigir o problema, mas muitas equipas acabam por dizer: “Não podemos fazer nada, está fora do nosso controlo”.

Não caia nessa armadilha! Há sempre algo que a equipa pode fazer para melhorar a situação. Seja criativo e ajude a equipa a encontrar maneiras de resolver o problema, mas não permita que a Agile Retrospective se torne uma sessão de reclamações.

Pensamento de Desejo

As ações discutidas são bastante vagas e sem proprietários designados, por exemplo, “melhorar a comunicação” ou “fazer mais refatoração”. Não são ações; são problemas para trabalhar.

Sem mais discussões, a equipa não sabe o que fazer para implementar essas “pseudo-ações”.

 Solução
Organize artigos de ação de forma que possam ser determinados como “feitos” ou “não-feitos”. “Refatorar mais” não é uma tarefa útil porque não se pode identificar apenas se foi concluída ou não.

“Melhorar a classificação do Clima de Código do Modelo do Utilizador de um F para um D” é viável e, portanto, a equipa deve realizar pequenos passos viáveis e contribuir para a melhoria.

Nenhuma Revisão de Artigos de Ação Anteriores

Um erro comum é quando as equipas não verificam se o que decidiram implementar melhorou a situação.

As equipas definem os tópicos para melhoria no próximo sprint, mas muito poucas param e analisam se as ações resultaram em alguma melhoria.

Solução
Cada retrospetiva deve começar com a equipa a rever os artigos de ação anteriores. O Scrum Master deve orientar a equipa e verificar se os artigos anteriores foram realizados.

Cada equipa deve apresentar Critérios de Sucesso para anexar a cada tópico de melhoria que emerge de cada Agile Retrospective. Se as equipas usarem algo assim, é muito fácil fazer o registo durante a próxima Agile Retrospective se o artigo puder resolver o problema.

Os Artigos de Ação são Automaticamente Atribuídos ao Scrum Master

É bastante comum, que a maioria das equipas veja o Scrum Master como a pessoa a quem todos os tópicos devem ser atribuídos. Mas, na realidade, o Scrum Master pode não ser a melhor pessoa para resolver o problema.

Solução
Normalmente, os tópicos que emergem das Agile Retrospectives variam muito. Dependendo do tópico que surge, os diferentes membros da equipa devem assumir a responsabilidade pelo combate ao problema.

Se o Scrum Master se apropria de tudo, o resultado é uma equipa que depende totalmente do Scrum Master para resolver todos os problemas.

A melhor abordagem pode ser escolher diferentes pessoas dentro da equipa para abordar os diferentes tópicos que surgem nas Agile Retrospectives.

Acredito que estes são os anti-padrões mais comuns que pode experimentar. Quando seguir as minhas dicas, vai obter resultados melhores nas suas Agile Retrospectives.

IDEIAS PARA AGILE RETROSPECTIVES

Para realizar uma fantástica Agile Retrospective, o facilitador deve ser capaz de escolher a atividade mais adequada para a Retrospective específica. Tenho vindo a recolher exercícios há vários anos, apenas tire o seu tempo e escolha o mais adequado para si. Aceda a todos aqui.

Se tiver exercícios que está interessado em partilhar connosco, sinta-se à vontade para nos contactar. Teremos todo o prazer em publicar o seu exercício aqui.

Os elementos de Retrospectives acima mencionados são os mais importantes. Acredito que isto resume o que é uma Agile Retrospective. Espero que tenha gostado!

ORGANISATIONAL MASTERY SCORECARD

Desenvolvi um teste grátis que o vai ajudar a identificar que areas da sua organisação precisam de mais ajuda para alcançar excelência no seu processo de Product Development

Faça O Teste
Rate this post:
Luís Gonçalves

About Luís Gonçalves

https://plus.google.com/u/0/+LuisGonçalves1979

Luis Gonçalves is an Entrepreneur, Author & International Keynote Speaker. He works with Senior Executives to implement his ‘Organisational Mastery’ system so they can greatly increase the effectiveness and efficiency of their organisations; enabling them to become recognised and highly rewarded Leaders.

Comments

Share your point of view

X